©2006 Instituto Percepções de Responsabilidade Social - Todos os direitos reservados.

  • Facebook Social Icon
  • LinkedIn Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Twitter Social Icon

Contratação Produtiva 

ECAD

O ECAD pauta a sua atuação em princípios de transparência e responsabilidade social, buscando um comprometimento com a ética e a qualidade de vida dos colaboradores, de suas famílias, da comunidade e a sociedade como um todo.

Através de uma parceria com o Instituto Percepções, iniciou um programa de contratação produtiva de pessoas com deficiência que alcançou os seus objetivos com a inserção de dezenas de profissionais com deficiência para atuarem em suas unidades.

Contratar pessoas com deficiência exige das empresas, além de adaptação, a preparação de um ambiente que garanta não só a inserção, mas também a sua permanência e o pleno desenvolvimento profissional. 

Por muitos anos, a pessoa com deficiência ficou à margem da sociedade, que acreditava não ter espaço dentro de uma organização para uma pessoa que apresentasse “limitações” ao executar suas tarefas do dia a dia.  

Por conta dessa falha de visão, é que se criou a Lei de Cotas.  

Lei esta, que fez o mundo coorporativo entender e apostar nas pessoas com deficiência, mas, não por isso, menos capazes. 

A Lei Federal 8.213/91, que estabelece a contratação de pessoas com deficiência é uma porta de oportunidades que foi aberta para vários profissionais que apresentam deficiência, seja física, mental, auditiva, visual ou deficiência múltipla, que antes os impediam de ter uma chance de empregabilidade no mercado de trabalho. 

A Lei de Cotas, além de trazer esperança para muitos trabalhadores, gerou também um ambiente mais solidário entre colaboradores nas empresas. 

Apresentar um plano viável de inclusão de pessoas com deficiência no quadro de colaboradores do ECAD buscando o cumprimento a Lei Federal nº 8.213/91, não é só a preocupação com a legislação, mas o compromisso com a valorização da diversidade e no desenvolvimento de projetos de responsabilidade social. 

Foto: Marco Vitale