©2006 Instituto Percepções de Responsabilidade Social - Todos os direitos reservados.

  • Facebook Social Icon
  • LinkedIn Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Twitter Social Icon

O Giclée democratizando a Arte

Vinda do verbo Francês "glicer", ignifica pulverizar. É uma maneira de descrever impressões a jato de tinta de última geração e alta tecnologia, em que a tinta é pulverizada sobre um papel especial. 

No passado, os artistas que desejassem fazer cópias dos seus originais, teriam que imprimir centenas de cópias para poder ter um custo por unidade aceitável. 

Grande parte dos artistas acabava ficando com muitas cópias não vendidas e o preço das reproduções se tornavam altos e proibitivos. Com o Giclée, os artistas podem fazer pequenas tiragens por um preço acessível. 

No Atelier Manassés, essa tecnologia já está sendo empregada e permite que o interessado possa encomendar até mesmo uma única peça e se desejar outras cópias poderá adquirir posteriormente.

O que mais encanta no Giclée é sua alta qualidade que se aproxima muito de um original. Com as tecnologias antigas, a qualidade não era tão boa. 

Com o desenvolvimento das impressoras de Giclée, o sistema (Offset), usado em gráficas que simula as cores de uma imagem com pontos CMYK (cian, magenta, amarelo e preto). está obsoleto para reproduções de obras de Arte, em comparação, com o Giclée. 

Levando em consideração que a obra foi fotografada ou digitalizada corretamente e devidamente calibrada, cada nuance de sua obra original é capturada, exatamente como foi criada e finalmente, não há transparências nem filmes envolvidos no processo. A matriz fica guardada em mídia digital para sempre. 

De acordo com testes industriais, sob circunstâncias normais, as reproduções deverão durar por gerações. Alguns pigmentos duram até 80 anos. Ainda é possível a colocação de uma proteção extra (para reproduções em tela), espreiando verniz profissional sobre a mesma. 

Sempre que uma novidade tecnológica aparece o primeiro receio é o comprometimento da qualidade criativa artesanal dos artistas e suas obras.

Nesse caso, vemos que nem sempre isso é verdade e o artista pode acompanhar o desenvolvimento sem comprometer a sua qualidade artística e melhor que isso: democratizando a sua arte com qualidade e preço mais acessível. 

 Manassés Andrade é Artista Plástico e Diretor Social do Instituto Percepções.  manasses@percepcoes.org.br