©2006 Instituto Percepções de Responsabilidade Social - Todos os direitos reservados.

  • Facebook Social Icon
  • LinkedIn Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Twitter Social Icon

Estabelecendo

Relações Sociais

Por favor, não interprete mal o fato de falar sobre esta minha criação. 

A re-criação do conceito de ler o tempo, visualizá-lo ao invés de interpretar a posição de dois ponteiros, francamente é meu tema favorito e o constante fluxo de manifestações positivas que venho recebendo, confirmam minha fé na nova dimensão que dei ao tempo. 

E nem tão nova ela é. A origem dela remonta ao começo do universo, bilhões de anos antes do homem aparecer e pensar em mensurar o tempo. E quem me proporcionou essa certeza foi o nosso diretor de Comunicação, o Luís Erlanger, me mostrando um site onde pudesse acessar a terra filmada de satélite. 

Juntei os colaboradores e nerds que trabalham comigo, deveria ser umas cinco e meia da tarde e lá estava claramente, metade da terra iluminada e a outra no escuro, conforme vocês podem verificar na foto ao lado. 

Aí me chamaram para atender uma ligação. Era o Paulo Mory, diretor-superintendente da Orient – onde foram montados meus relógios dos 500 anos e do Penta – grande amigo e incentivador daquela minha idéia de ter o Brasil como centro do mundo nos relógios do Descobrimento. 

A base dele é Manaus, mas estava telefonando de Recife. Olhando para a tela, vendo toda a ponta oriental do Brasil mergulhada na noite, perguntei: Paulo, tá sol aí? Ao que ele respondeu: Não, aqui já é noite (!) Foi uma experiência emocionante. O satélite mostrando quase todo o Brasil de dia e a ponta ao Leste de noite. Era realidade virtual. 

Deus nos deu o tempo assim, pensei: sol e sombra, noite e dia, é assim que o mundo gira, é assim que registramos a passagem do bem mais precioso que temos: o tempo. 

Agora, sem falsa modéstia, depois de tantos anos que comecei a visualizar o tempo através de minha linguagem e grafismo (foi em 1986, em Paris, tomando um chá de cadeira esperando os computadores aprontarem o meu projeto da marca comemorativa dos 10 anos do Centre Pompidou/Beaubourg) sempre ligados a esfera, ao globo, ao claro e ao escuro, simulando volume -, depois de toda a luta, viagens e investimentos para viabilizar a versão mecânica do relógio verificar que, todo esse tempo eu vinha convergindo em direção a esta visão do nosso planeta, lá da estratosfera, foi um momento bastante gratificante. 

Acresce de que o relógio Time Dimension mostra às 12 horas vezes 60 minutos vezes 60 segundos em 43.200 combinações visuais diferentes. A tecnologia demorou, mas veio duplamente ao meu encontro: - a de poder olhar para o mundo, lá do alto e ver como o escuro da noite vem cobrindo o continente ensolarado e - o micro chip que permite construir o Time Dimension virtual e nas cores e degrades "escolhidos para o dia" e que em breve todo o mundo poderá ter no seu monitor. 

Isso tudo apenas me mostra como vale a pena lutar para estar na frente, criando novos conceitos, novas maneiras de enxergar o tradicional. 

A resistência da "indústria" e do "público" em transformar Time Dimension em sucesso comercial, apenas demonstra quão séria é a mudança dos ponteiros e algarismos para combinações de nuances de degrades. Mas estou tranqüilo quanto ao cumprimento de minha "missão" que foi a de agregar beleza a interpretação daquilo que nos é tão caro - tempo, através de Time Dimension. 

 Hans Donner é designer, diretor da TV Globo e um dos maiores exemplos de cidadania,  brasilidade e amor ao país.